Faça login na sua conta!

Ainda não tem uma conta? Cadastre-se agora mesmo!

Mega Colunistas

Colunistas

Ceia de Natal está 16,20% mais cara em 2022

Publicado em 26/11/2022 - 01:22 Por Fernando Agra
destaque
Créditos da imagem: Fernando Agra (2022).

        

                 O brasileiro vai gastar mais para montar a Ceia de Natal. De acordo com pesquisa que realizei com base nos dados do IBGE, os preços de 29 itens utilizados para a produção dos pratos, das sobremesas que compõem a ceia natalina, além das bebidas, ficaram, em média, 16,20% mais caros do que no Natal passado. Enquanto isso, o IPCA ficou em 6,47% no mesmo período do levantamento (novembro de 2021 até outubro de 2022). Isso significa que a inflação da Ceia de Natal é duas vezes e meia maior do que a inflação oficial do País. Segue, abaixo, a variação percentual dos preços dos 29 itens pesquisados:                           

·         Frango inteiro:  5,12%                                                                 

·         Carne de porco (salgada e defumada):  -3,09%                                                               

·         Arroz:   -4,66%                                                               

·         Farinha de mandioca: 26,60%                                                                 

·         Maionese: 30,64%                                                                       

·         Ovos: 18,11%                                                                 

·         Milho verde em conserva:  23,32%                                                                       

·         Palmito em conserva: 5,56%                                                                   

·         Azeitona: 8,59%                                                                            

·         Alface: 20,33%                                                               

·         Tomate:  -21,99%                                                                         

·         Batata inglesa:  28,58%                                                              

·         Azeite de oliva: 7,21%                                                                

·         Óleo de soja:     6,41%                                                                

·         Sal:                       17,96%                                                              

·         Gás de cozinha 10,20%                                                              

·         Cerveja 9,97%                                                                 

·         Água e refrigerante: 12,46%                                                                    

·         Vinho:  5,30%                                                                 

·         Farinha de trigo                : 35,40%                                                                           

·         Manteiga: 23,17%                                                                        

·         Açúcar cristal:    5,90%                                                                

·         Fermento em pó: 6,99%                                                                            

·         Leite longa vida: 30,50%                                                                           

·         Leite condensado: 32,62%                                                                       

·         Uva:  19,19%                                                                  

·         Melão: 38,34%                                                              

·         Maçã:   41,49%                                               

·         Manga: 29,49%                                                              

Fonte: Estudo realizado por Fernando Agra (Economista da UFJF), com base nos dados coletados do IBGE (2002).           

                                 Dos itens pesquisados, apenas 3 apresentaram queda nos preços (carne de porco, arroz e tomate). Todos os demais 26 itens subiram de preços, com destaques para as frutas (maçã, melão e manga que ficaram, em média, 41,49%, 38,34% e 29,49% mais caras, respectivamente); farinha de trigo, maionese, leite longa vida e leite condensado tiveram aumentos em seus preços da ordem de mais de 30% em relação ao Natal do ano passado. Em geral, preparar um prato ou uma sobremesa ficou mais “salgada” nesse Natal (até o sal, que é considerado um bem inelástico nos manuais de Economia, ou seja, cuja variações nos preços pouco alteram a quantidade consumida, pois não tem substitutos e é barato para qualquer classe de renda, desta vez subiu 17,96% ao longo dos último 12 meses). Refrigerantes, água mineral e cerveja também subiram mais do que o IPCA.

                                 Vários são os fatores que contribuíram para esses aumentos: desde questões climáticas adversas, como secas em alguns locais do País e muita chuva em outros; taxa de câmbio depreciada (dólar alto) que torna os produtos importados, que compõem a ceia de Natal, mais caros; até resquícios dos efeitos da pandemia da Covid-19 que provocou desarranjo em alguns cadeias produtivas no comércio internacional; tudo isso contribuiu para uma diminuição da oferta e por consequência aumentos nos custos de produção, impactando diretamente no preço final de uma Ceia de Natal.

                                 Em suma, como o brasileiro é criativo, ele pode fazer pesquisas e aproveitar algumas promoções; combinar com amigos, vizinhos ou familiares para realizar suas compras em atacarejos (redes de supermercados que vendem tanto no varejo, quanto no atacado) e conseguir comprar com preços unitários menores; evitar excessos e comprar somente o que for utilizar na ceia (combater todo e qualquer tipo de desperdício), entre outras medidas para economizar, mesmo que um pouco, na ceia com a família e amigos.

Tags: Ceia de Natal, inflação, IPCA
 Fernando Agra Fernando Agra
Finanças Agradáveis

Fernando Antônio Agra Santos é palestrante e consultor nas áreas de Finanças Pessoais (Educação Financeira e Aplicações Financeiras). É Economista pela Universidade Federal de Alagoas e Economista da Universidade Federal de Juiz de Fora, Doutor em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa, Professor da Universidade Salgado de Oliveira, Professor Visitante dos MBA´s da UFJF (todas em Juiz de Fora - MG) e Professor de Educação Financeira do Colégio Machado Sobrinho.

Leia também: Deixar a casa mais limpa está bem mais caro!