Faça login na sua conta!

Ainda não tem uma conta? Cadastre-se agora mesmo!

Mega Colunistas

Colunistas

Você tem alguma conta em atraso? O que fazer?

Publicado em 19/08/2022 - 18:06 Por Fernando Agra
destaque
Créditos da imagem: Acervo de Fernando Agra (2019).

                 De acordo com levantamento divulgado na sexta-feira, 19 de agosto, pelo CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes, Lojistas) e pelo SPC (Serviço de Proteção ao Crédito), a inadimplência bateu recorde no mês de julho e cerca de 63 milhões de brasileiros estão com, pelo menos, uma dívida com pagamento em atraso. Caro leitor (internauta), você conhece alguém que está nessa situação? O que fazer quando se está inadimplente?

                Quando a comparação é feita com dados de um ano atrás (julho de 2021), houve um aumento de 16,5% no endividamento e o número de pessoas que estão com as contas em atraso há mais de 90 dias subiu cerca de 40%. Do total de inadimplentes, 60% devem ao setor financeiro. Isso é muito grave, pois o Brasil possui uma das mais altas taxas de juros do mundo. Quem pega dinheiro emprestado no cheque especial chega a pagar 8% ao mês de juros (o que corresponde a 151,82 % ao ano); o rotativo do cartão de crédito, que incide a diferença entre o total da fatura e o que de fato a pessoa pagou, chega a 12% de juros no primeiro mês e 9% a partir do segundo mês de inadimplência (em um ano, o total de juros pagos pode chegar 177%). Se a dívida for com alguma financeira que cobra 14% de juros ao mês, o consumidor chega a pagar 381,79% de juros.

                Existem os fatores exógenos que têm contribuído para a situação supracitada, como o desemprego alto (9,3% foi a taxa divulgada pelo IBGE relativa ao segundo trimestre desse ano, o que equivale a 10,6 milhões de desempregados e a situação piora se considerarmos os desalentados, aumentando em cerca de 4 milhões o número de pessoas sem emprego e que desistiram de procurar). Outro fator é a inflação, que ainda continua alta e ultrapassou a casa dos 7% nesse ano, superior ao teto da meta estabelecido pelo Banco Central, que é de 5% no ano. Desemprego e inflação alta contribuem para diminuir o poder de compra dos trabalhadores, sobretudo das classes mais pobres.

                Por outro lado, existem os fatores endógenos que também explicam essa inadimplência, no qual um deles é a falta de educação financeira das pessoas. Durante as minhas consultorias, palestras e cursos percebo um percentual muito grande de pessoas que não têm um orçamento doméstico organizado e sequer sabem quanto ganham, quanto gastam, quanto pagam de juros nas compras parceladas etc. Confesso que não conheço outra maneira de saber para onde nosso dinheiro vai se não anotarmos tudo. Papel, caneta e calculadora são suficientes. Mas se você gosta, eu tenho um modelo de planilha de Excel (pode me enviar um e-mail para prof.fernandoagra@gmail.com que eu enviarei para você). Além disso, percebo também que muitas pessoas querem levar um padrão de vida além das possibilidades, não conseguem controlar os impulsos consumistas e acabam se endividando desnecessariamente. Aconselho a todos terem um orçamento doméstico organizado. Reúnam todos os membros da casa, conversem sobre dinheiro. Se possui alguma dívida em atraso, busque negociar com o credor. Peça descontos. E se for o caso, contraia uma outra dívida que cobrará uma taxa de juros menor e pague aquela que está cobrando juros mais altos e durante esse período de quitação das dívidas consuma somente o essencial. Elimine os supérfluos da sua vida, pelo menos por um tempo e compre de fato o que vai ser utilizado para atender as suas necessidades. Pesquise e substitua marcas mais caras por mais baratas, observando a qualidade etc.

                Se você quiser aprender mais sobre como administrar melhor o seu dinheiro, eu te convido a participar de um minicurso, sobre Educação Financeira, que vou ministrar nos dias 22 e 23 de agosto, ao vivo, pelo Google Meet. Para obter informações mais detalhadas deste e de outros minicursos, bem como sobre as consultorias que presto para as famílias, é só entrar em contato comigo pelo meu WhatsApp: (32) 99138-6620, bem como me acompanhar no Instagram @prof.fernandoagra. Abraços e aprenda a cuidar bem do seu dinheiro de modo que você e sua família possam atender, além das necessidades, também os desejos, bem como acumular patrimônio e ter uma vida mais tranquila.

Tags: Inadimplentes, dívida, desemprego, inflação, educação financeira, curso, consultoria, palestra.
 Fernando Agra Fernando Agra
Finanças Agradáveis

Fernando Antônio Agra Santos é palestrante e consultor nas áreas de Finanças Pessoais (Educação Financeira e Aplicações Financeiras). É Economista pela Universidade Federal de Alagoas e Economista da Universidade Federal de Juiz de Fora, Doutor em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa, Professor da Universidade Salgado de Oliveira, Professor Visitante dos MBA´s da UFJF (todas em Juiz de Fora - MG) e Professor de Educação Financeira do Colégio Machado Sobrinho.

Leia também: Benedita (carinhosamente mãe Biu): uma lição de amor!